Crítica | Wandinha – Personagem ganha série teen sem perder a essência da Família Addams

Autênticos, engraçados e, até mesmo, um pouco excêntricos, a Família Addams é, para muitos, o retrato de uma família perfeita. Seu comportamento pouco convencional conquistou diversos fãs ao longo das décadas, fazendo com que mais e mais adaptações fossem produzidas dessa história, que começou como uma série de televisão dos anos 1960. Agora, em 2022, os fãs ganharam mais um presente com ‘Wandinha’, a nova produção da Netflix.

Dirigida por Tim Burton, a série apresenta Wandinha Addams (Jenna Ortega) em seus anos como estudante do ensino médio. Após passar por diversas escolas, e causar problemas em todas, a personagem entra na Nevermore Academy, uma instituição para excluídos, onde tenta dominar seus poderes psíquicos. Em meio a vida escolar, assassinatos começam a acontecer na pequena cidade de Jericho e, conforme Wandinha investiga, percebe que esses crimes estão relacionados com sua família e eventos sobrenaturais que aconteceram há muito tempo.

Wandinha’ traz a Família Addams para o clima de uma série adolescente, mas sem perder o estilo gótico dos personagens clássicos. O prazer pelo obscuro e macabro está presente, mas, agora, a filha mais velha de Gomez e Mortícia precisa enfrentar problemas da sua idade, como fazer amigos, relacionamentos amorosos e, até mesmo, competir com a abelha rainha da escola. Além disso, o mistério sobrenatural da produção está ligado à relação de violência dos peregrinos com os povos nativos, trazendo uma mensagem de conscientização e questionamento em relação à História oficial de uma nação.

A produção se equilibra entre o clássico e o moderno. Com uma narrativa que se passa nos tempos atuais, a série traz uma Wandinha crítica e intelectual, que não aceita o senso comum ou ser escrava da tecnologia, em um mundo semelhante ao das animações de 2019 e 2021. Mas também possui semelhanças com o live-action dos anos 1990, como a presença de aulas de esgrima na escola e também o debate sobre a relação entre colonos e nativos, algo já apresentado em ‘A Família Addams 2’. Além disso, a obra traz a clássica mensagem dos personagens criados por Charles Addams sobre ser você mesmo e não se importar com a opinião das pessoas.

Outro ponto positivo são as características técnicas da série. ‘Wandinha’ é dirigida e produzida por Tim Burton, que pode ser considerado o melhor diretor da atualidade para desenvolver uma obra relacionada aos personagens. Os elementos do diretor estão presentes, a começar pela visão sombria de Burton que combina perfeitamente com o tom gótico da Família Addams. Além disso, a série conta com a trilha sonora de Danny Elfman, que trabalhou com o diretor em diversas produções, e com a presença de Christina Ricci no elenco, que atuou em ‘A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça’ (1999) de Burton, além de ter sido a Wandinha nos filmes dos anos 1990. Os novos integrantes do elenco também merecem reconhecimento. Jenna Ortega está excelente como a protagonista, e o entrosamento entre a personagem e a diretora da escola se completa com a interpretação de Gwendoline Christie. Mas, talvez, quem mereça um destaque especial, seja a Mãozinha, que surge com um designer diferente e mais macabro do que nas obras anteriores. 

Wandinha’ possui uma perfeita harmonia entre o clássico e o moderno, trazendo a essência da Família Addams dos filmes dos anos 1990, ao mesmo tempo em que se aproxima da animação de 2019. Com um mistério instigante e personagens carismáticos, a série atrai o público, deixando-o curioso sobre o que está por vir numa possível segunda temporada. Diante de um ambiente tão familiar, para qualquer dúvida que tenha, basta estalar os dedos duas vezes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: