Crítica | ‘A Maldição da Chorona’ – Terror com base em Lenda Urbana Mexicana

Cada local tem suas lendas urbanas, histórias que ganham força popularmente e entram para o folclore local, sendo passadas oralmente de geração em geração. Um bom exemplo é a história da Chorona – que, em espanhol, se chama ‘la llorona’ –, muito conhecida em todo o México, especialmente entre as crianças, que ouvem o relato de seus pais e crescem com a ameaça da mulher misteriosa que pode raptá-los caso não sejam crianças bem-comportadas.

            É esse o mote de ‘A Maldição da Chorona’, que chega agora aos cinemas pela Warner Bros, com produção de James Wan (o mesmo diretor de ‘Aquaman’). Anna (Linda Cardellini) é viúva recente, mãe de dois filhos pequenos, trabalha como assistente social visitando e acompanhando famílias que tenham denúncias de maus tratos infantis. Em seu trabalho, rola uma pequena competição com outra funcionária, pois seu chefe, o Detetive Cooper (Sean Patrick Thomas), acha que ela não está dando conta de tantos afazeres, porém Anna insiste que está tudo bem e pede para ir verificar a família de Patricia (Patricia Velásquez), que recebeu mais uma denúncia.

            Ao chegar lá, Anna encontra os garotos trancados no armário e a casa totalmente transformada, com muitos santos, velas e elementos religiosos. Logo ela descobre que a maldição da Chorona estava assombrando aquelas crianças, e, para o seu horror, o mesmo mal vai atrás de seus próprios filhos em seguida. Começa, então, o drama de Anna, que faz de tudo para salvar as crianças durante todo o filme.

            O filme tinha potencial – afinal, a história tem bastante material para ser explorado –, porém, o resultado é fraco e insosso. A sensação é de que o próprio roteiro perdeu a paciência com o que estava fazendo e começou a jogar elementos, personagens e justificativas a torto e a direito, mesmo que tais escolhas fossem contra ao que o próprio filme já tinha apresentado. Com atuações sofríveis e uma direção preguiçosa de Michael Chaves (de ‘Invocação do Mal 3’), o terço final do longa não só não assusta, como também faz rir. O melhor momento é a aparição da boneca Anabelle – mais uma vez fazendo ponta em um filme da Warner.

            Apesar de não atingir seu objetivo de dar sustos, ‘A Maldição da Chorona’ entretém e diverte, afinal, a mesma casa onde foi filmado o longa também serviu de cenário para outros títulos de terror, como ‘Ouija’, e usar a mesma locação ajuda a memória do espectador a ambientar a trama como uma ameaça sombria.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: