Crítica| Vice – A história do cara que mudou a história (pra pior)

Para quem tem mais de trinta anos, “Vice” é um filme que joga luz numa parte obscura da história mundial que por mais de duas décadas ficou oculta nos bastidores do governo norte-americano. Para quem tem menos de trinta anos, “Vice” é um filme necessário para se entender como o mundo foi parar onde estamos hoje.

            Com um elenco premiadíssimo e conquistando diversas indicações aos principais prêmios do cinema – foram 6 ao Globo de Ouro e 8 ao Oscar –, “Vice” conta a história de um típico branco norte-americano, do Nebraska, beberrão, que não quer nada com a vida, cheio dos preconceitos e dos achismos de superioridade, até o dia em que este cara, Dick Cheney (Christian Bale), atende a uma palestra do homem que iria mudar a sua vida: Donald Rumsfeld (Steve Carrel).

            A partir do contato com Rumsfeld, no final dos anos 1960, Cheney se torna seu assessor na Casa Branca e começa a incorporar a postura conservadora, encorajado pela sua esposa, Lynne Cheney (Amy Adams), que chega a ser mais conservadora do que ele (em determinado ponto do filme ela grita “enquanto as mulheres estão queimando sutiãs, nós, aqui, os usamos!”).

            Dick Cheney não é flor que se cheire. Nunca foi. E sim, ele ainda está vivo.

            Cheney é manipulador, ambicioso, cruel, calculista e sem nenhum escrúpulo. Acima de tudo, é um homem discreto. E é exatamente assim que ele foi galgando seu espaço na Casa Branca, subindo de posto, tornando-se confiável e essencial para as pessoas certas nos momentos oportunos. Através dessa sutileza esguia de uma cobra à espreita, Dick Cheney se tornou o 46º vice-presidente norte-americano na gestão de George W. Bush (Sam Rockwell) na virada do milênio.

            Mas, afinal, o cargo de vice-presidente não serve para nada, correto? Não quando o presidente é Bush filho, o pau-mandado. Protegido pelo cargo de vice, porém exercendo plenos poderes com o aval do verdadeiro presidente, Cheney articulou a invasão norte-americana no Iraque após os ataques de 11 de setembro, mesmo sem motivação plausível e tão somente alegando a possibilidade do Iraque possuir armas de destruição em massa. Como sabemos, nunca houve arma alguma naquele país.

            Com direção precisa de Adam McKay, que conseguiu dosar o drama e o nervosismo da história salpicadas por um humor ferino e tenso, “Vice” é um filme necessário, cínico, que você vai passar raiva ao assistir, mas que demonstra como a política está cheia de cobras como Dick Cheney. O roteiro mordaz não tem piedade e desenha a trajetória de um personagem asqueroso, porém real, que é brilhantemente interpretado por Christian Bale. “Vice” merece todas as indicações e palmas que anda recebendo, porém seu protagonista, Dick Cheney, merece, ao revés, ser julgado pelas decisões tomadas enquanto esteve em exercício do poder. Hoje, o político descansa confortavelmente com a consciência tranquila, em sua casa com sua família, enquanto milhares de famílias sofrem com as consequências das guerras iniciadas por ele.

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=QtFBMaHn1gE

Foto: Imagem Filmes
Foto: Imagem Filmes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: